Artrose: Descubra seus sintomas, exames e tratamentos

Artrose

Artrose ou osteoartrose / Foto Divulgação

Artrose é conhecida por vários nomes, como, por exemplo, osteoartrose, osteoartrite ou doença articular degenerativa. É uma enfermidade reumática caracterizada por um processo degenerativo que acomete as articulações.

Antes de mais nada, suas alterações começam na cartilagem articular, que sofre um processo de amolecimento e deterioração chegando inclusive a desaparecer em fases mais avançadas, afetando as articulações sinoviais levando a fibrilação, fissuras da cartilagem ou microfraturas ósseas.

Além disso, nas bordas das articulações podem aparecer prolongações ósseas de forma irregular e de tamanhos variáveis, sendo denominada como osteófitos, os famosos bicos de papagaio, que igualmente constituem o sinal mais característico da artrose.

Conforme a Sociedade Brasileira de Reumatologia, em torno dos 75 anos de idade, 85% das pessoas de ambos os sexos têm alguma evidência de artrose, tanto na radiografia quanto no exame clínico, embora apenas de 30% a 50% se queixem de dor crônica.

Sintomas da artrose

Antes de tudo, a dor é o principal sintoma da artrose, e quando aparece costuma ser primeiramente relacionada com a movimentação da articulação afetada e melhora com o repouso.

Apesar disso, em determinado tempo as pessoas costumam relatar rigidez das “juntas” após um longo período de inatividade, como, por exemplo, dormir.

Conforme a progressão do quadro, a dor não passa nem após o descanso, havendo igualmente diminuição dos movimentos e falta de firmeza, além de inchaço, ruído ao movimentar-se e deformidade nas articulações.

Em outras palavras, existem evidências que sugerem um envolvimento multifatorial, podendo ser em decorrência de trauma, infecções ou por situações que aumentam as probabilidades da doença, como:

  • Histórico familiar: se alguém da família tem artrose, aumentam-se as chances de desenvolver a patologia;
  • Movimentos repetitivos: Tensão frequente e repetitiva nas articulações gerando desgaste prematuro na cartilagem. Algumas pessoas se movimentam inadequadamente por muitas horas devido ao trabalho, comprometendo as articulações. Ou seja, quem realiza trabalhos que exigem esforço físico ou passa muito tempo ajoelhado ou agachado sem promover o fortalecimento adequado ao grupo muscular, está mais propenso a adquirir artrose;
  • Excesso de peso: As pessoas acima do peso ou obesas sobrecarregam mais as articulações, principalmente as da coluna vertebral, quadril e joelhos. A obesidade aumenta a sobrecarga articular e produz fatores relacionados à inflamação gerando dores;
  • Outras doenças: algumas condições de saúde como artrite reumatóide, também aumentam os riscos.

Exames que podem ajudar no diagnóstico

Em primeiro lugar, inicia-se com testes sanguíneos que ajudam na exclusão de outras causas de dor. Por outro lado, descartando-se os outros focos de dor, a análise do líquido sinovial (líquido encontrado dentro da articulação) pode apontar se a dor é causada por infecção.

Exames de imagem podem auxiliar na detecção da artrose, sendo eles:

  • Raio X: Mesmo que a cartilagem não seja visível no raio-x, a perda é revelada pela redução do espaço articular entre os ossos de seu conjunto. Também é capaz de mostrar a presença de osteófitos ao redor da articulação.
  • Ressonância magnética: produz imagem clara e detalhada dos tecidos, incluindo cartilagem.

Tratamentos indicados para artrose

Primeiramente, somente um médico especializado é capaz de iniciar o tratamento medicamentoso para artrose, geralmente a base de analgésicos ou anti-inflamatórios que sejam adequados às necessidades do paciente, podendo ser administrados por via oral, tópicos ou aplicados diretamente dentro das articulações.

A fisioterapia pode utilizar de diversas técnicas durante o tratamento, tais como correntes elétricas, laser terapêutico, ultrassom terapêutico e ondas-curtas, adotados para o controle da dor e inflamação.

Além disso, é aplicado programas personalizados de exercícios físicos, no solo ou na água, além de terapias manuais, como mobilização.

As condutas fisioterapêuticas são de grande importância para o tratamento da artrose, possibilitando a diminuição do processo inflamatório e contribuindo para a recuperação da amplitude de movimento, ou seja, além de fortalecer a musculatura da região acometida, melhora o equilíbrio muscular, sendo dessa forma, a primeira opção de tratamento na artrose. Em último caso, dependendo do grau da artrose é recomendado intervenção cirúrgica.

Por último, o controle do peso representa uma medida importante para prevenir a artrose ou retardar seu surgimento e progressão. É importante ter cuidados com a dieta e praticar exercícios físicos moderados regularmente para melhorar a função muscular e manter a integridade das articulações ao longo de toda a vida.

 

Letícia Ruas – fisioterapeuta graduada pela Faculdade Anhanguera e pós-graduada em Fisioterapia nas Afecções da Coluna Vertebral pela FCMSCSP.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Somos um Residencial Sênior com programação de atividades diárias, com uma equipe multidisciplinar especializada composta por geriatras, fisioterapeutas, neuropsicólogos, psicólogos, dentistas, fonoaudiólogos, nutricionistas, terapeutas ocupacionais, educadores físicos e gerontólogos, e com uma estrutura

auxiliar com salão de beleza, sala de fisioterapia, consultório médico, consultório dentário, cinema, biblioteca, farmácia, sala de jogos e espaço ecumênico.

Vila Vida Serviços Médicos Ltda. – EPP
Rua José Felix de Oliveira, 1914 | Granja Viana – SP